Lei do Gás aprovada: Estado do Rio pode receber R$ 45 bilhões em investimentos até 2030

Deputado federal Paulo Ganime (NOVO/RJ) visita São Gonçalo
15/03/2021
Ganime assume como membro titular da Comissão de Minas e Energia
18/03/2021

Deputados em plenário comemoram a aprovação.

Nova lei deverá baratear o preço final do gás e da energia ao consumidor.

Deputados em plenário comemoram a aprovação.

O Plenário da Câmara dos Deputados aprovou na madrugada desta quarta-feira (17) o PL 4476/2020 (antigo PL 6407/2013), que estabelece um novo marco regulatório para o setor de gás natural no Brasil. A nova Lei do Gás irá gerar para o país nos próximos 10 anos cerca de R$ 150 bilhões, dos quais R$ 45 bilhões serão destinados ao estado do Rio de Janeiro, que é o maior produtor de gás natural do país.

Os deputados recusaram as alterações feitas pelo Senado e aprovaram a versão amplamente discutida na Comissão de Minas e Energia da Câmara. “As emendas do Senado Federal, lamentavelmente, promovem mudanças nocivas do texto aqui aprovado, a ponto de colocar em risco o acordo alcançado a duras penas com a indústria do gás natural”, afirmou o relator Laércio Oliveira (PP/SE).

Desde 2019, o deputado federal Paulo Ganime (NOVO/RJ) tem articulado com os relatores, representantes da indústria e da sociedade civil, além de ter sido o autor do requerimento de urgência para votação do projeto no plenário da Câmara. A aprovação é uma grande conquista do mandato.

“Essa foi uma das pautas mais importantes, não só deste ano, mas da nossa legislatura. Trata-se de um marco setorial que terá um grande impacto para o país, que tem uma enorme riqueza, mas não é devidamente aproveitada. Tudo por conta de uma legislação, que estamos mudando. Esse texto foi muito bem trabalhado na Comissão de Minas e Energia e todos os setores foram consultados. Chegamos a um texto que atende praticamente a todo o mercado e também à população brasileira, que precisa ser a maior beneficiada com gás e energia mais baratos e empregos”, afirmou Ganime.

A nova lei vai destravar o mercado de gás natural no país ao facilitar a entrada de empresas no setor, aumentando a competição. Dentre os dispositivos do texto que viabilizam esse movimento está a mudança do modelo jurídico atual de contratação: passa de concessão (em que a empresa precisa vencer um leilão promovido pelo governo) para autorização (em que a empresa apresenta um projeto após chamada pública e aguarda a aprovação da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis — ANP).

A Confederação Nacional da Indústria (CNI) prevê a geração de 4,3 milhões de empregos nos próximos anos. A proposta irá reduzir a participação da Petrobras e gerar maior competitividade, reduzindo os custos de produção e o preço final ao consumidor (indústria, veículos, energia elétrica, botijão de gás). 

“É uma vitória para o Brasil, num dia triste com tantas mortes pela Covid-19, mas pelo menos saímos daqui com uma vitória importantíssima para o povo brasileiro. Eu, que sou do Rio de Janeiro, comemoro ainda mais, por conta da relevância disso para o gás e para toda a economia do petróleo no Estado do Rio de Janeiro”, concluiu.

O texto está em tramitação desde 2013 no Congresso Nacional. Em outubro de 2019, o PL foi aprovado na Comissão de Minas e Energia (CME) e em novembro, Ganime protocolou um requerimento de urgência para ser votado em Plenário. Em setembro de 2020, foi aprovado em Plenário e seguiu para o Senado, onde foi modificado. O texto segue agora para sanção presidencial. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *